Penguins Freshmen - Madrugada Sangrenta




ÚLTIMO CAPÍTULO PUBLICADO!
DESCUBRA QUEM MATOU SNUGGY E PIPLOP!

"Penguins Freshman - Madrugada Sangrenta" foi um verdadeiro sucesso! A série de maior sucesso no CP Inovador chegou ao fim. Confiram a seguir todos os episódios desta emocionante saga:
Anteriormente, na época em que o blog ainda estava em atividade, outras duas edições aconteceram e tiveram grande clamor do público. Querem relembrar ou conhecer Penguins Freshman? Revejam as últimas temporadas:


Agora, nessa terceira edição, Larme e Tmj15 serão os apresentadores e, dessa vez, estamos planejando uma história muito mais sombria e misteriosa. Será a última temporada desta trilogia! Porém, funcionará um pouco diferente das demais: nós escreveremos o enredo e as características dos personagens, mas algumas enquetes opinativas aparecerão na barra lateral do blog. Mas isso não significa que terão influencia no desenrolar da série.

Através desta mesma postagem vocês poderão conferir todos os episódios. Morte? Investigação? Intrigas? Só aqui, no Club Penguin Inovador!

Capítulo 1 - (Conhecendo o inimigo) 

-Celebrados sejam vocês, ô nobres! Disse o apresentador Tmj15. -Agora, os 10 pinguins mais carismáticos da ilha se encontram no iglu mais vigiado do jogo! Completou.
Um a um, os novos integrantes do Reality Show se acomodavam nas poltronas mais confortáveis, saboreando os mais diversos comes e bebes de toda a região.
Desinibido, Nike foi o primeiro a começar a se enturmar com os demais. Nem parecia o primeiro dia daquele pequeno jovem. Passava de pinguim em pinguim, apertando nadadeira por nadadeira, conhecendo os novos companheiro de iglu.
Já Piplop, era verdadeiramente tímido. Não dizia nada, preferia ficar observando tudo a seu redor e fazendo anotações em um diário de memórias.
Joaninha, a única menina. Olhava e analisava os meninos. Até tinha medo deles: afinal, a garota no meio dos marmanjos devia tomar a devida atenção. Nunca se sabe. O mundo de hoje em dia...
Snuggy também estava lá. Coitadinho... era o palhaço do iglu. Fazia piada com os companheiros, brincava, pulava. Era realmente muito feliz, mas logo ganhou o "título" de chato por só dizer coisas desnecessárias. Polo era o mais misterioso. Andava de um lado para outro soltando gargalhadas estranhas. De fato, não batia muito bem da cabeça e conversava sozinho: "Vou fazer cabum...". Dizia.
Rafael Bobs já aparentava ser o mais barraqueiro dentre todas aquelas pessoas. Começou logo criando intriga por causa de um prato de comida. Ao fundo, a voz de um participante se fez ouvir: "Ih, esse aí não dura muito...".
Outro que era bem agitado era Sonic: (Fazendo jus ao nome...). Se relacionava bem com os pinguins e tinha fama de atleta. Um esportista de primeira . Já tendo conquistado alguns títulos de provas de velocidade. Era um ótimo pinguim.
Narutox era risonho. Curtia um bom futebol e gostava de passar horas na piscina. Porém, havia um pequeno problema... Já tinha três passagens pela EPF. Era ficha suja e já havia cometido assassinatos anteriormente. Superdrigo era curioso. Já chegou no iglu tão agitado a ponto de querer revistar todas as malas. Mas, quando foi solicitado para que o procedimento fosse feito com ele, logo aparentou certo receio e não permitiu. Parecia esconder algo.
Por fim, Ferby. Era o mais confuso de todos aqueles. Meio bobo? Retardado? Quem sabe. Mas que demorava um pouco para raciocinar, isso era incontestável.
Feito então as apresentações iniciais, chegou então a noite do primeiro dia de programa. O apresentador reuniu todos na sala e começou a falar:
-Boa noite a todos e sejam bem vindos ao Penguins Freshman. Pelo visto já começaram a se conhecer! Vocês terão alguns dias para se socializarem, pois no nosso próximo encontro já teremos formação de Paredão. E dessa vez, o jogo funcionará de uma maneira diferente... Até logo, pinguins.

Capítulo 2 - (Colisão bombástica)

Passaram-se 5 dias e os pinguins já obtinham várias informações sobre os seus companheiros que estavam no iglu. O dia começou bem quente, e os participantes foram pra piscina logo cedo. Porém, o alarme do iglu disparou. Todos, assustados, ainda com roupas de banho, foram correndo para a sala, onde Tmj15 aguardava os pinguins. Com todos acomodados, o apresentador tomou a fala para si: -Muito bem, pessoal. A situação por aqui é séria. Recebemos um comunicado de bomba dentro do iglu. Obviamente, há um responsável por isto. Apresento a todos o detetive Larme. Ele mora no iglu aqui ao lado e estará atento ao caso. -Bom dia. Disse o detetive. - Não tenho amigos aqui. Apenas suspeitos. Preciso revistar as malas de todos.
-A minha não! Disse Superdrigo.
-Engraçado... A sua você não quer, mas as dos outros você fica doidinho pra bisbilhotar, né? Ironizou Nike. Para quebrar o clima totalmente sério, Polo começou a correr em círculos e soltar risadas aleatórias.
-Este é um coitado. Disse Larme, decepcionado. 
-Eu não tenho nada relacionado com isso. Eu sou inocente! Falou Narutox.
Nesse mesmo instante, Larme chamou Narutox em um canto e sussurrou: "Você tem passagem pela EPF, mocinho. Estou de olho, viu?".
-O que é uma bomba?! Gritou Ferby no meio de todos.
-Vocês são retardados? Eu não estou aqui para brincadeiras! Falou Larme levemente irritado.
O silêncio tomou conta do iglu. O único som que era possível ouvir naquele instante era de uma lápis arranhando as páginas de um papel. Era Piplop, anotando toda aquela situação. Com sua timidez, estava encolhido e assustado com aquele momento difícil.
Joaninha foi a próxima a se manifestar, dizendo que estava cansada e que tinha que descansar: "Vamos logo com isso! Minhas nadadeiras estão exaustas!".
-Exatamente, exatamente. Olharei mala por mala. Com licença. Falou Larme. A primeira mala a ser revista foi a de Rafael Bobs. Porém, o detetive foi surpreendido com o pulo do pinguim sobre a mala. Ele dizia que a privacidade dele era essencial. Então, aquilo se tornou um campo de guerra: Larme puxando a mala de um lado, Rafael de outro, até que ela se abriu e um canivete fora encontrada lá dentro. "Interessante...". Pensava o detetive.
Sonic seria o próximo a ser revistado e não aparentou qualquer dificuldade. Entregou a mala. Tudo foi vasculhado e uma barra de ferro fora observada:
-Preciso levantar alguns pesinhos para manter a forma, não é mesmo? Disse o pinguim.
Snuggy foi o último, e tudo parecia normal por ali. E, claro, o pinguim não perdeu a chance de fazer novas palhaçadas.
Larme tomou a palavra: -Vejo que está tudo de acordo, mas não pensem quem acabou. Eu vou investigar tudo. Agora o Tmj tem que falar com vocês. Até mais.
-Olá! Estou de volta e fico muito feliz que tudo tenha corrido bem. Mas agora vamos falar de Paredão. Como eu disse anteriormente, dessa vez seria diferente. Na primeira rodada, todos estão emparedados. O público vai decidir quem sai. Eles irão votar, e o mais indicado será eliminado. No próximo encontro revelo o resultado. Disse Tmj15.
Porém, mal eles sabem que isso poderia transformar aquele Reality Show em um banho de sangue... A "eliminação" vem aí.

Capítulo 3 - (Você está elimi... Morto?! - A madrugada sanguenta)

O início daquele Reality Show foi incrivelmente muito conturbado. Participantes com as mais diversas características e ambições chegaram ao programa com o objetivo de vencer o prêmio de um milhão de moedas. Para completar a zona que ia se formando, um alerta de bomba tinha sido feito dois dias antes. O detetive Larme havia decretado até então aquele caso como arquivado, já que nenhuma prova contundente foi encontrada.
Já estávamos na manhã do oitavo dia de confinamento, e pela noite o resultado do primeiro Paredão seria divulgado e um pinguim seria eliminado da competição. Seria...
Tmj15 acordou e foi conversar com Larme logo cedo. Foram direto ao Café, onde discutiram sobre os acontecimentos decorridos durante a primeira semana de programa.
-Eu estava checando o primeiro programa e descobri que o Polo dizia sucessivamente: "Vou fazer cabum". E aquilo realmente me intrigou. Falou Tm15.
- Ele é maluco... Acho bem complicado alguém com o perfil dele ser capaz de construir uma bomba. *Risos*. Larme disse ironicamente.
Bem longe dali, dentro do iglu, Superdrigo parecia aflito. Ele acordou com um mau pressentimento e pensava: "Meu faro de curiosidade me diz que alguma coisa vai acontecer...".
Joaninha, no quintal, pintava as unhas e cantarolava. Estava feliz. Passou toda a manhã em uma mesinha tomando um delicioso suco e cuidando de sua beleza. Bem perto dali, Sonic fazia uma sequência de alongamentos e levantava a barra de ferro que foi encontrada em sua mochilha anteriormente. Depois de alguns movimentos, ele se cansou e sentou ao lado de Joaninha:
-A senhorita está desacompanhada? Disse o garoto. Rapidamente, a menina retrucou jogando todo o suco no bico do pinguim, que saiu furioso.
Piplop estava no quarto, deitado, escrevendo em seu diário alguns poemas. Era muito inteligente, e intelectual também, o que fazia o pinguim ser relativamente excluído dentre os outros.
Narutox foi o responsável do dia por fazer o almoço. Ele foi pra cozinha, ligou a televisão e sintonizou em uma partida de futebol americano. Pegou uma faca, e apreciou-a. Em seguida, foi fatiar o tomate. Mas,  em um movimento involuntário da nadadeira, acabou ferindo sua barriga.
Ferby, continuando com sua fama de ser confuso, jogava solitariamente um jogo de tabuleiro no chão da sala. Conversava consigo mesmo e fazia contas mentais de matemática para saber quantas casas deveria mover com o peão azul. Depois repetia os mesmos movimentos com o bonequinho vermelho. E incrivelmente, conseguiu perder a partida, mesmo o garoto sendo o seu próprio adversário.
Nike, como o mais sociável do iglu, andava por todos os cômodos tagarelando com todos os outros participantes. Sorria, cantava e até contava algumas piadas, mesmo não sendo muito bem sucedido naquilo.
Snuggy, que era o metido a "engraçadinho", também era bastante invejoso. Olhava Nike pelo rabo do olho... Parecia não gostar de toda a popularidade do concorrente, que lhe afrontava a cada minuto. Uma inimizade aparentava surgir por aquelas bandas...
Rafael Bobs parecia faminto. Ele invadia a cozinha a todo minuto para perguntar se a comida já estava pronta. Já era a quinta vez que ele aborrecia Narutox com a mesma pergunta: "E aí, terminou?". Chegou um momento que Narutox se estressou com o mesmo questionamento e acabou gritando: -Vai continuar me enchendo a paciência ou prefere que eu o mate?!
Rafael preferiu desta vez não arrumar nenhum barraco e saiu correndo de lá.
O dia foi se arrastando até o momento da primeira eliminação. Com o passar das horas, os concorrentes iam ficando cada vez mais aflitos sem saber o resultado da votação que excluiria um dos pinguins do jogo. Chegou a noite, e cada pinguim resolveu ficar em um cômodo, mais a vontade possível para o pronunciamento de Tmj15. Logo o apresentador ativou o sistema de som do iglu e começou a dizer:
-A vida é uma caixinha de surpresas... Somos todos reféns do sistema. E a democracia veio para estabelecer um novo padrão de melhora social. Mas dessa vez, essa forma de governo fez uma vítima... Se a voz do povo é a voz de Deus, Snuggy, você foi o escolhido para continuar a vida aqui fora.



Um barulho de bomba se fez ouvir no momento. Um grito veio da direção do banheiro.
-Atenção, Snuggy, você está eliminado! Voltou a dizer Tmj15.
Sem ligar para o apresentador, os pinguins saíram correndo em direção à fonte do estrondo. Aquilo os levou ao banheiro, onde eles viram Snuggy caído no chão. Os olhos dele estavam fechados. O seu corpo havia sido em parte deformado. Seu rosto ainda era visível: tinha ficado completamente pálido e ressecado. Suas veias apareciam na pele. Estava completamente gelado e rígido. Sangue jorrava de suas artérias.
-Vou repetir pela última vez, Snuggy, você está elimi... MORTO?! CHAMEM  O DETETIVE! TIVEMOS UM ASSASSINATO AQUI! Terminou Tmj15, assustado como nunca.

Capítulo 4 - (Investigação criminal)

A sirene começou a disparar. O caos tomou conta daquele iglu logo naquele momento. Em todos aqueles anos de Reality Show, era a primeira vez que algo desta maneira acontecia. Logo no dia da primeira eliminação, quando o jogo começava a pegar fogo... Morte. Snuggy estava irreconhecível. Seu corpo caído no chão do banheiro tomava tons cada vez mais horrendos e dramáticos. Banhado à sangue e órgãos altamente feridos, os resquícios da bomba de nêutrons, (explosivo de pequeno porte; a última variante da bomba atômica; onde as fortes cargas de raio-X são capazes de dizimar corpos, porém deixando estruturas físicas plenamente intactas) ainda eram visíveis.
-Um crime perfeito! Exclamou Piplop.
Pela primeira vez em toda aquela competição, foi possível ouvir a voz do garoto tímido que anota tudo em seu caderno.
Imediatamente, no meio de gritos e chamados de socorro, o detetive Larme chegou colocando ordem na situação:
-Muito bem, meus caros... Aparentemente o engraçadinho voltou a aparecer. Já lidei com muitas situações de morte e assassinatos, mas igual a esta... Sinceramente, temos uma mente bem perigosa por aqui. Para início de conversa, todos estão convocados a ir imediatamente à sala, onde Tmj15 necessita conversar com todos vocês. Irei examinar a situação do vitimado por aqui e logo encaminho o primeiro relatório da investigação criminal.
Em um clima de silêncio absoluto, todos se dirigiram até o local estipulado e sentaram-se. Tmj logo tomou para si a palavra:
-SENSACIONAL! Disse o apresentador ironicamente. –Um de vocês acabou de estragar todo o nosso projeto. Estávamos em um programa perfeito, do jeito que o público gosta e agora aparecem com um ASSASSINATO? Muito bem... Eu não tenho palavras para descrever a barbaridade que este Reality Show acabou de se tornar. O jogo virou, pessoal. Vocês todos estão confinados aqui até que descubramos quem é o culpado. Historicamente, todos batalhavam para sobreviver a cada paredão para chegar até o prêmio final, mas agora... Terão que torcer para serem eliminados. Isto mesmo, pois cada um agora é suspeito deste delito, e quanto mais tempo vocês passarem aqui dentro, mais provas surgirão contra vocês. A cada programa agora, tiraremos um da disputa. E este que se for, pode se considerar livre e inocente. Larme está encarregado das investigações e me ajudará a encontrar o responsável por isto tudo daqui. Desta vez, o “vencedor” da competição vai ganhar uma passagem... Uma passagem de ida direto para cadeia. Este crime não passará impune. Até mais, seus vândalos. Completou o apresentador irritado.
Neste momento, um burburinho começou na sala. Todos juntos assustados mais ainda depois da fala que acabaram de ouvir do chefe do programa.
-Como esse povo é idiota... Obviamente foi o Nike. Paga de popularzinho para todos acharem que é uma boa pessoa. Mas foi só ter uma intriga com o Snuggy que ele aparece morto... Estranho, né? Disse Sonic.
-Olha aqui, eu sou inocente. Eu sou do povo, eu sou do gueto, EU SOU A UNIVERSAL. Respeita-me que eu não sou as suas pinguinas. Retrucou Nike.
Naquele mesmo instante, em um canto, misteriosamente, Narutox e Superdrigo conversavam sobre algo desconhecido. Falavam tão baixo que pareciam planejar alguma coisa. Eles eram amigos de longa data, e sempre andavam juntos.
-HEHEHEHEHEHE. CABUM. HIHIHIHIHI. Gritou aleatoriamente Polo no meio do iglu.
-Menino, você deve ter algum tipo de problema. Com certeza foi você o assassino! Só fala em explodir as coisas. Vou fofocar para o Larme, ta me escutando? Disse Joaninha, com um tom rígido.
Como de costume, Rafael Bobs iniciou um novo barraco. Gritava com Ferby inúmeras vezes chamando-o de estúpido e retardado. O garoto nada respondia, pois no momento estava com um dicionário na mão procurando o significado de todas as palavras proclamadas por Rafael.
Não passou muito tempo e Larme voltou. Convocou todos novamente para uma reunião e deu o veredito sobre a primeira impressão pós-morte de Snuggy:
-Pois bem, amigos. Volto a repetir que jamais esperava por uma atitude como essa. Snuggy teve uma morte verdadeiramente cruel. Somente alguém com uma inteligência bem aprimorada seria capaz de planejar algo assim. Com isso, já podemos então descartar um dos suspeitos. Ferby, você está livre e foi inocentado.
-Obaaaaaaaaaaaaaa! Gritou o garoto que saiu saltitando porta afora.

Retomando a palavra depois da primeira eliminação, Larme concluiu: “Agora vocês 8 que seguem conosco irão apresentar um depoimento sobre seu relacionamento com o Snuggy. Então, ao fim disso, descartarei outro suspeito. Até breve.”. 

Capítulo 5 - (Busca pelo assassino)

Um novo dia começou com muita melancolia. Parecia que a ficha ainda não havia caído. Como alguém seria capaz de tamanha crueldade? Uma vida perdida, uma competição colocada totalmente em xeque por interesses individuais de alguém preocupado em atingir alguém objetivo. Mas o que levaria alguém a matar o seu semelhante? Eliminar um concorrente de disputa? Intrigas? Assustar os outros? Enfim... As hipóteses são as mais diversas, mas cabe ao detetive Larme solucionar mais um problema de sua carreira.
Quando o sol já raiava com total força, Larme chegou para começar o interrogatório aos pinguins que poderiam estar envolvidos no crime.
O primeiro a ser chamado foi Rafael Bobs. Logo a princípio ele foi questionado sobre o incidente que ocorreu no dia do alerta da bomba e por que havia um canivete em sua mala.
-Eu sou uma pessoa conservada. A minha privacidade está sempre em primeiro lugar. Larme, você não tinha o direito de abrir a minha mala daquele jeito, por isso causei aquela pequena discussão. E o canivete estava lá porque meu pai me deu ele quando eu era criança. Serve como meu amuleto da sorte. Já sobre o Snuggy, nunca tive nada contra. Um cara qualquer para mim. Disse Rafael.
Em seguida, Joaninha foi convocada e perguntada sobre algo que intrigava o detetive: O seu horror a homens.
-Não é que eu não goste... Mas sinceramente, sou a única menina no meio de tudo aqui. E esses meninos são muito tarados! Eu tenho apenas receio que tentem fazer algo contra mim. Eu seria capaz de fazer qualquer coisa pro minha vida, mas neste caso, sou inocente.
Larme abaixou a cabeça pensativo, e pediu para que a menina chamasse Narutox e Superdrigo para que ele pudesse conversar com eles.
Assim feito, a dupla sentou no sofá e se acomodou.
-Como é bom ver você aqui de novo, Narutox. Depois de muitos crimes, você realmente é meu principal suspeito. E pelo visto agora tem um novo amigo para executar os seus planinhos, não é verdade? Perguntou o investigador.
-Eu sou inocente! Pessoas podem mudar... E o Superdrigo também não tem nenhum tipo de relação com isso. Ele é uma pessoa da paz. Respondeu Narutox.
-Vi vocês dois cochichando já... Ninguém sabe do que se trata. Pra que tanto mistério? O que conversam que ninguém pode saber? E sem esquecer-se do fato que no dia que fui revistar as malas, Superdrigo aprontou certa resistência. Instigou Larme.
-Vou ser bem sincero para você... Eu e o Narutox somos amigos desde que ele saiu da cadeia. E busco ajudá-lo sempre, porque ele está diferente. Estávamos discutindo estratégias para descobrir o assassino e prendê-lo para provar que ele é inocente.
-E sobre a mala?
-Olha, eu sou curioso, mas não gosto de ser espionado, assim como ninguém.
Em sequência, Polo apareceu e fique de pé em frente ao detetive. Uma sequência de onomatopéias de fez ouvir então do pinguim louco: “Uga buga, kakakaka, goooool, cabum, cabum, CABUUUUUUM!”.
-Vai começar com a idiotice? Eu não estou aqui para brincadeiras não. Falou o investigador.
Porém, Polo continuou daquele mesmo jeito por 5 minutos e nada de importante foi dito por ali. Larme foi pessoalmente atrás do próximo a ser interrogado: Piplop.
O pinguim chegou extremamente tímido, com seu diário embaixo de suas nadadeiras. Com muita vergonha, ele gaguejou em todas as suas falas, e não conseguiu prenunciar nenhuma frase completa. Observando o nervosismo e timidez do garoto, o investigador dispensou-o.
Sonic se apresentou na continuação e aparentou muita tranquilidade e otimismo quanto ao caso. A conversa foi gratificante e nenhum tipo de prova contra o menino foi encontrada. Sua barra de ferro era realmente apenas para levantamento de peso e atividades físicas. Ele ainda completou falando sobre Joaninha: “Acho ela muito bonita, mas levei um fora... Paciência, não é mesmo?”.
Por fim, Nike. Naquela ocasião, o preferido de Larme para o interrogatório, onde muitas suspeitas se encarregavam de deleitar sobre sua consciência. Antes da morte de Snuggy, foi o único que discutiu verdadeiramente com o falecido, criando muitas hipóteses.
-Eu sou um cara popular. Tenho grandes amigos, dinheiro e tudo que alguém gostaria de ter. Não perderia meu tempo me vingando de um invejoso. Beijinhos no ombro. Falou Nike.
Depois de todos os depoimentos colhidos, Larme e Tmj se reuniram e decidiram o eliminado do dia. Ligaram o sistema de som e anunciaram que Sonic estava livre. Disseram que ele era uma excelente pessoa e que se ele tivesse problemas com alguém ali, seria com Joaninha pelo toco que recebeu. Mas tirando isso, era muito gente boa e nenhuma prova foi encontrada contra o pinguim.

Agora a convivência entre os suspeitos se resume a apenas 7 opções. Uniões podem ser formadas a partir disso, porém novas intrigas chegam a ser inevitáveis quando o assunto é descobrir... Quem matou Snuggy?

Capítulo 6 - ("Chequem as câmeras!")

Os dias corriam no iglu mais vigiado da ilha. Na realidade, bem irônico, não é mesmo? Em um ambiente monitorado por tamanha tecnologia, o tempo voava e o assassino da barbárie ainda não havia sido encontrado. De súbito um crime tão peculiar como este, ainda mais com requintes de crueldade merece uma investigação aprofundada e fundamentada em provas.
Mas afinal... Eram agora 7 suspeitos, e ninguém queria levar a culpa para si. Planos de solução partiam também dos próprios supostos envolvidos.
Na hora do almoço, Joaninha foi à cozinha e colocou uma lasanha no forno. Assim que estava assada, colocou-a sobre a mesa e tacou uma boa dose de molhe picante. O restante do molho foi jogado no lixo. Desperdiçar é muito feio, Joaninha...
Bem perto dali, estava Piplop. Ele andava de um lado para o outro. Parecia inquieto. Suas sobrancelhas mexiam em um compasso incrível. Trêmulo, pegava um lápis e com a letra bem tremida, continuava sua escrita em seu diário. Curioso com aquilo tudo, Rafael Bobs resolveu se aproximar. Era a primeira vez que alguém vinha conversar com Piplop.
-Oi, tudo bem com você? Não sei se me conhece, mas me chamo Rafael...
-Olá. Sou o Piplop. Desculpe, mas não sou muito de conversa. Com licença.
-Não precisa ficar desse jeito. Não vou causar nenhum barraco não!
-Sabe... É que eu acho muito estranho alguém vir conversar comigo. Isso não é muito comum.
A partir daquele momento, os dois começaram uma longa conversa. Ambos diziam o que sentiam de toda aquela situação decorrida no iglu nos últimos dias. Declaravam inocência e debatiam sobre o crime.
Polo novamente tinha uma de suas crises de loucura. Desta vez, foi até a sua mala, pegou um avião de brinquedo e começou a manusear a aeronave imaginando grandes explosões no ar daquele pequeno objeto. Continuava com seus ruídos estranhos que ninguém era capaz de entender: “Vruuuuum! Tss... CABUM!”.
Nike aparentava também um certo nervosismo. Esse sentimentos foi liberado em forma de fome, onde o garoto compulsivamente devorou toda a lasanha sem deixar quaisquer pedaço para nenhum dos outros pinguins.
E a inseparável dupla resolveu entrar em ação. Isto mesmo, estou me referindo ao Narutox e ao Superdrigo. Queriam mais do que nunca resolver o mistério e liberar todos do iglu para a vida normal. Eles conversavam fino, quase silenciosamente. Por fim, abriram um sorriso. Isto aparentava que chegaram a algum tipo de conclusão. Os amigos convocaram todos os pinguins para se encontrarem na sala. Também convidaram o detetive Larme e o apresentador Tmj15.
-Vieram confessar o crime? Perguntou Larme.
-Longe disso, meu camarada. Estamos aqui para fazer aquilo que já deveria ter sido feito há muito tempo. Estamos em um Reality Show cercados de câmeras e dispositivos altamente modernos. Ou seja, o crime deve ter sido registrado. Disse Superdrigo.
-Perfeitamente. Chequem as câmeras! Exclamou Narutox.
Tmj15 e Larme ficaram satisfeitos com a ideia, mas logo se lembraram que no local da investida criminosa não havia filmadoras. O banheiro era o único lugar de todo o iglu onde a privacidade reinava.
-Mas nas proximidades do banheiro deve ter algo que foi captado. Sugeriu Joaninha.
A análise foi retomada, e próxima à porta do toalete, o único ser encontrado foi Piplop, que passava apressado no momento.
-Porém, não podemos esquecer que a bomba pode ter sido introduzida a qualquer momento do dia. Talvez o criminoso esperou o momento certo através de um controle remoto para causar a explosão. Intrigou o detetive.
Nesse ponto, todos concordaram. Em sequência, foi possível conferir que todos os pinguins no momento utilizavam dispositivos eletrônicos, como celulares, controles e vídeo-game. Todos estariam aptos para apertar um botão e matar Snuggy. O único que não portava nenhum destes itens no momento era Superdrigo, que fazia a leitura de um livro.
Larme então sentou-se e começou a relatar todo aquele andamento da investigação em um bloco de papel. Por fim, fez uma declaração:

-Excelente. Gostaria de parabenizar aos garotos pela brilhante de ideia de todos nós, juntos, analisarmos as câmeras e tirar boas conclusões. Deixo algo claro: Para mim, o principal suspeito é o Narutox. Mas, o seu amigo, Superdrigo me aparece como uma boa pessoa. Além de querer ajudar o companheiro, era o único que não portava nenhum instrumento que pudesse estourar uma bomba. Por isso, você Superdrigo, ganha a liberdade e está fora da lista de suspeitos. Irei prosseguir com as investigações e seguirei atrás de provas. O jogo vai ficando cada vez mais apertado.

Capítulo 7 - (Insensato coração)

As cabeças daqueles que restaram devem estar claramente transtornadas. Piplop, Rafael Bobs, Joaninha, Narutox, Nike e Polo eram os suspeitos que ainda lutavam para provar inocência e escapar daquele iglu que seguia a cada dia mais aflito. Mas também, Tmj15 e Larme estavam nervosos. Tiveram um programa manchado por uma morte e poderiam ficar com a credibilidade em baixa, tudo pro causa de uma morte que jamais ocorrera antes em qualquer tipo de programa de toda a região.
Ao amanhecer, com todos ainda dormindo, Larme buscava provas que pudessem alterar de alguma maneira os rumos daquela investigação. Ele pensava que todas as malas já haviam sido revistadas e que nada lá poderia ter relação. Pensou um pouco, e chegou a uma conclusão bizarra, porém coerente: “Os resquícios da humanidade... Aquilo que não pode ser revelado é deletado.”. Após aquele pensamento filosófico, o detetive colocou suas luvas e passou recolhendo todo o material das lixeiras do iglu, na esperança de encontrar alguma pista perdida. Levou tudo que foi recolhido para o seu escritório. Estava fedendo muito aquele monte de tralha já usado pelos pinguins do iglu. Primeiramente, separou as coisas que não aparentavam ter nenhum tipo de relação com um crime, e pegou uma lupa para observar detalhadamente o restante. Encontrou no meio daquilo tudo um papel rasgado e todo embolado. Como estava muito borrado, teve certa dificuldade em ler o que estava registrado, mas conseguiu enxergar as iniciais de uma palavra: “Assas...”. Ficou intrigado. Relembrou que no meio de todos os suspeitos, o único que fazia relatórios em um bloco era Piplop. “Mas será que aquele pinguim retardado sabe quem matou Snuggy?”. Aquilo ficou matutando em sua mente durante alguns minutos, mas descartou logo a ideia, pois imaginou que Piplop seria burro demais para desvendar o crime.
No iglu, Narutox acordou bem cedo e estava aflito. Caminhava por todos os cômodos querendo encontrar algo que pudesse provar sua inocência. Na cozinha, furiosamente, jogava as panelas ao chão e derrubava os talheres. No quarto, jogava os travesseiros ao alto, bagunçava os edredons.
-NÃO FUI EU! TIREM-ME DAQUI! NÃO FUI EU! EU SUPLICO. Gritava o menino.
Joaninha passava ao lado do garoto exatamente no momento que ele estava tendo o seu surto. Ela se assustou com todos aqueles sons e gemidos. Em pânico, correu para o quintal e se deparou com uma tempestade. Perto da borda da piscina, encontrou uma inscrição em um pedaço de papel: “O jogo não acabou...”. Desta vez, foi a única menina da competição que soltou altos ruídos:
-AAAAAAAAAAAAH! Gritava ela.
Do outro lado do iglu, Rafael Bobs e Piplop tinham uma conversa sadia e bem humorada.
-O que um ketchup disse para a mostarda? Perguntou Rafael.
-É nós na frita... Essa é fácil! *Risos* - Indagou Piplop.
Eles tinham uma amizade há pouco tempo, porém já parecia bem forte e unida. Piplop, no entanto, não imaginava que o principal motivo de Rafael Bobs era descobrir o conteúdo de seu diário.
Nike, que não era nada ingênuo, logo percebeu isso. Aproximou-se dos dois e começou a dizer:
-Piplop, não seja idiota... Ele é um falso! Se quiser um amigo de verdade, eu estou aqui. Sou a melhor pessoa do mundo, pode acreditar.
Naquele instante, Rafael Bobs iniciou um barraco generalizado e o iglu ficou novamente em caos.
Polo, para variar, continuava sua sina de dizer coisas estranhas. Não fazia nada de novo. Seguia em sua mesmice. Não parecia se importar se seria condenado ou não. Se interessava apenas em brincar e fazer aquilo que mais amava: Viver do jeito que ele realmente é.
-Eeeeeeeeee! Iupi! Gritava o louquinho.
Pela noite, Tmj15 reuniu todos na sala. Ninguém conversava. O silêncio profundo vagava pelas entranhas dos pinguins que não aguentavam mais toda a situação.
-Boa noite. Estava conversando com o detetive e hoje decidimos que a Joaninha está livre. A única pessoa que ela teve problemas aqui dentro foi com Sonic, que, aliás, já fora eliminado. Então não vejo nem motivos nem provas contundentes que a incriminem.
-GRAÇAS! GRAÇAS, GRAÇAS! Exclamou a menina que pegou as suas malas e foi para a liberdade.

Por fim, o apresentador concluiu: “Amanhã o Larme quer conversar com todos vocês. Aguardo todos por aqui.”.

Capítulo 8 - (Sombrio iglu...)

Era madrugada. Todos dormiam. Uma leve chuva caía e o frio era avassalador. Um som constante de gotas se fazia ouvir sobre o teto do iglu. Hora ou outra um dos pinguins levantava e ia à cozinha para tomar um copo de água. A noite seguia tranquilamente até Narutox ter outro ataque. Acordou repentinamente após um pesadelo que não o deixava descansar. No sonho, via seu corpo preso a algemas em um lugar escuro. Parecia uma prisão. Assim que despertou, assustado, começou a gritar. Acordou todos os outros confinados e dava tapas em si mesmo alegando que não suportava tamanha pressão.
-EU SOU INOCENTE! EU NÃO MEREÇO ISSO. Esperneava o pinguim.
Todos saíram correndo de onde estavam para resgatar o companheiro de competição de mais uma de suas crises.
Socorreram-no dando-lhe um calmante e suplicando para que ficasse tranquilo.
-Estamos aqui para te ajudar. Disse Nike.
-Qualquer coisa que precisar estamos aqui, amigo. Completou Rafael Bobs.
Naquele instante, já mais relaxado, Narutox pediu uma folha em branco do diário de Piplop.
-Mas é claro! Aqui está. Concordou o escritor.
Até mesmo Polo, que não falava coisa com coisa resolveu dar uma palavra de apoio:
-Uga... Cabum! Mim ser colega de você. Mim ajudar no que amigo necessitar. Disse Polo com certa dificuldade com as palavras.
Narutox agradeceu e todos voltaram a dormir.
Quando o dia amanheceu, Larme chegou ao iglu e convocou a ida dos 5 participantes restantes à sala. Um a um foram se apresentando, até que o detetive notou a falta de um dos concorrentes.
-Onde está Narutox? Perguntou.
Ninguém sabia, e saíram pelo iglu em busca dele. Procuraram em cada quarto, checaram o banheiro, o quintal e nada. Até que Nike avistou um pedaço de papel jogado próximo ao tapete da entrada. Chamou todos para verem aquilo. Era um bilhete. O conteúdo dele revelava:

Peço perdão a todos os meus amigos que me ajudaram dentro do iglu, mas eu não suporto mais isto. Eu sou inocente, eu não matei Snuggy. Não encontrei provas suficientes para me libertar, então a única solução que encontrei foi fugir. Boa sorte a todos que seguem confinados, mas eu fico por aqui. Até nunca mais.
                                                               -Narutox

-Até nunca mais?! Coitadinho... *Ironia* Ele fugiu! Gritou Larme.
Não muito longe dali, Narutox saia correndo em direção à região central da ilha. Muito ofegante, chegou ao Plaza. Por pura coincidência encontrou o seu velho amigo, Superdrigo.
-Que bom, companheiro! Você foi libertado. Fico muito feliz. Falou Superdrigo.
-Eu preciso de você! Eu fugi do iglu. Eu consegui. Tenho certeza que me condenariam, mas escapei a tempo, mesmo sendo inocente. Por favor, peço-lhe um imenso favor. Arrume-me uma corda. Respondeu o fugitivo.
Sem pestanejar e pensar no desejo do colega, Superdrigo entrou no teatro e por lá mesmo encontrou uma corda que sustentava a cortina. Puxou-a e levou para o amigo.
-Muito obrigado. Sou eternamente grato a você. Narutox disse.
Mau todos sabiam que aquelas seriam as últimas palavras pronunciadas pelo pinguim. Ele saiu correndo para o Forte Nevado. Olhou para o relógio oficial. Sacou a corda, pendurou-a em uma base e entrelaçou em seu pescoço. Subiu na armação e aos poucos o pinguim foi perdendo a respiração. Em questão de minutos Narutox ia perdendo todo o ar. Faleceu.
De volta ao iglu, no mesmo instante, Larme ligava para todos os agentes da EPF para que fossem atrás do pinguim que havia fugido. Repentinamente, ao longe se ouviu 4 badaladas do sino que fora recentemente instalado no relógio.
-Que bacana... Disse Polo.
-Vou registrar este momento no meu caderno. O Narutox fugiu, o sino tocando... Loucura, loucura! Exclamou Piplop.
Rafael Bobs ficou pensativo. Naquele momento imaginou o que aquele som significava. Bateu o aperto em seu coração. 4 badaladas... 4 suspeitos... O desfecho daquela história parecia eminente.
O Telefone Secreto de Larme tocou. Assim que atendeu, um dos seus agentes de sua confiança lhe informava: “Atenção, detetive! Suspeito encontrado. Pinguim fugitivo morto. Alerta no Forte Nevado. Morte! Morte!”.
Tmj15 que estava ao lado do investigador Larme ficou em estado de choque.
-Leve toda nossa equipe jornalística para lá. O Narutox morreu! Falou o apresentador.
Passaram-se alguns minutos e os televisores do iglu ligaram. Estava sendo transmitida uma edição extraordinária do jornal. A manchete dizia: “Pinguim com passagens pela EPF suicida no Forte Nevado!”.
Os 4 participantes ficaram perplexos ainda mais com cena. Viram ao longe a silhueta de Narutox em um estado de conturbação. Estava pálido feito neve, com a língua para fora e os olhos cerrados.
Os pinguins do iglu entreolharam-se e entraram em pânico.
Tmj15 fechou dizendo:
-Oh meu Deus do céu! No que é que este programa se transformou?!

Capítulo 9 [PENÚLTIMO CAPÍTULO] - (Ponto final.)

Enquanto as emissoras de televisão cobriam aquela morte, Larme desligou todos os aparelhos no iglu e tomou a palavra para si.
-Vejo que tudo isto já está passando dos limites. Imagino que todos vocês estão muito sentidos por tudo o que aconteceu. Mas precisamos descobrir quem matou Snuggy. De fato o Narutox não foi o assassino. Já teve inúmeras passagens pela EPF, mas pelo modo que reagiu... Chegar ao ponto de suicidar é realmente o desespero de se mostrar inocente. Então vamos agilizar as coisas por aqui. Não quero que mais nenhuma fatalidade venha a ocorrer. Já tenho o meu principal suspeito aqui dentro de minha cabeça, mas preciso de uma prova final para que eu possa condenar. Passarei o resto do dia aqui dentro verificando suas ações. Piplop, Rafael Bobs, Nike e Polo... Um de vocês matou Snuggy... E eu vou descobrir quem é. Terminou o detetive.
O jogo então estava na mesa. Estávamos perto de descobrir quem foi o assassino, mas para isso, de apenas uma prova precisava o detetive.
Em um canto do iglu, Piplop e Rafael Bobs conversavam. No quintal, Polo nadava na piscina fazendo acrobacias bem loucas.
Nike, inquieto, andava pelos cômodos pensando na morte de Snuggy e de Narutox. Caminhando perto do quarto, ouviu vozes e resolveu segui-las. Ouviu Rafael Bobs e Piplop conversando. Por detrás da porta, escutou o papo.
-Piplop, ande depressa. Mostre-me o que tem nesse diário. Eu sei que você está escondendo alguma coisa.
-Eu não posso! Eu não posso!
-Quer que eu comece um barraco por aqui?
-Tudo bem então... Mas por favor, não faça nada. Não faça nada... Apesar de tudo, eu confio em você.
Rafael Bobs leu o conteúdo do diário. Ele arregalou o olho. Piplop sabia desde o início quem era o assassino. Naquele instante, Rafael soltou o diário no chão, e em choque foi para o seu quarto. Nem notou que Nike escutava toda a conversa. O pinguim extrovertido entrou no quarto e começou a conversar com Piplop.
-Que interessante... Já que você mostrou para ele agora é minha vez de ler, não acha? Disse Nike.
Piplop arrependido de ter revelado o conteúdo de sua escrita, pegou o diário caído no chão e sem dizer nada, saiu do quarto também e foi para a sala. Já acomodado no sofá começou a pensar consigo mesmo: “O que foi que eu fiz? O que foi que eu fiz? Eu estava esperando para dizer triunfantemente o nome do assassino na grande final... E eu aqui, burro, fui e mostrei pro Rafael Bobs. Se ele fizer alguma coisa... O que vai ser de mim?”.
Em estado de choque, o pinguim escritor pegou o lápis e em uma folha em branco escreveu repetida vezes a frase: “Eu sei quem matou Snuggy. Eu sei quem matou Snuggy. Eu sei quem matou Snuggy...”.
Porém, naquele mesmo instante, Larme passava por trás de Piplop e viu o pinguim registrando aquela sentença.
-Magnífico! Gritou Larme.
Piplop se assustou e tentou sair correndo com o diário, mas Larme o acalmou.
-Relaxa... Pelo que eu pude ver você sabe quem é o assassino. Vi você escrevendo isso agora no seu diário. Imagino que deve estar com medo de revelar... É realmente muita responsabilidade, mas deixarei em sigilo por enquanto. Dê-me o diário, por favor.
Piplop, com as nadadeiras trêmulas entregou o caderno ao detetive que se sentou na cozinha e pôs-se a examinar. Quando chegou ao fim do conteúdo, abriu um sorriso.
-EU SABIA! EU SABIA! TUDO FAZ SENTIDO AGORA! Gritou triunfantemente o detetive.
Larme foi embora para seu iglu para vestir uma roupa de gala.
Passou-se duas horas e ele retornou chamando todos os pinguins para irem à sala. Estavam lá Rafael Bobs, Nike e Polo.
-Piplop? Onde está você? Perguntou o detetive.
Novamente, todos os pinguins saíram a procura de outro sumido... Desta vez um grito de pânico. Polo soltou um agudo que fez todos os pinguins chegaram até um dos quartos. No chão, caído, estava Piplop. Com o corpo todo cortado em várias partes. Fora esquartejado. Seu corpo ardia feito brasa. Do lado do pinguim, um canivete banhado à cor vermelha piorava aquela visão fatal.
-Um canivete?! Se eu já tinha provas suficientes, agora é impossível errar. Quem matou o Piplop foi a mesma pessoa que assassinou o Snuggy. Está na hora da verdade.

Capítulo 10 [ÚLTIMO CAPÍTULO] - (Descanse em paz)

Larme começou o seu discurso:
-Incrível a mentalidade perversa de vocês! Exatamente os três que eu esperava estão na final. Polo... Você sempre foi o mais louco de todos. Vinha com aquele papo de cabum e tudo mais. Suspeitava de você, mas você é inocente. Não passa de um doente da cabeça. Nike... Quando você brigou com Snuggy te coloquei como um dos principais suspeitos. Como era seu inimigo e você sendo o popular do iglu, talvez você planejasse vingança contra o Snuggy... Mas percebi que não. Você é apenas um pinguim metido que quer ser melhor que todo mundo. Por fim... Rafael Bobs. Sabe por que você está aqui? Porque logo no dia que eu fui revistar as malas, havia um canivete dentro da sua. Aí, você, barraqueiro como sempre, só sabia causar confusão aqui dentro. Ainda por cima, descubro que você leu o conteúdo do diário do Piplop e ele é morto no mesmo dia com o mesmo canivete que foi encontrado na sua mala. E falando em mala, olha ela ali no cantinho... Toda bagunçada. Pelo visto você retirou a arma da morte de Piplop de lá de dentro. E como barraqueiro, você quer todos os holofotes virados para você, então matou Snuggy porque ele se apresentava como o brincalhão do iglu. Aproximou-se do Piplop desde o início, pois imaginava que ele soubesse que você havia matado Snuggy, já que ele era o único que tinha passado ao lado do banheiro no momento da explosão. E no meio de suas brigas, arrumou um momento e jogou a bomba lá dentro para matar o garoto. Então, Rafael Bobs, você é o culpado. Você matou o Snuggy e o Piplop!
Sem chance para dizer qualquer coisa, vários policiais da EPF chegaram e prenderam o menino.
-Bravo, detetive! Bravo! O campeão do nosso Reality Show é Rafael Bobs! Parabéns! Parabéns! Você acaba de ganhar uma passagem sem volta com destino à cadeia. Disse Tmj15 feliz.
O iglu então finalmente teve paz. O corpo de Piplop foi retirado e Nike e Polo foram liberados. Quando tudo se acalmou e o ambiente esvaziou, Tmj15 chegou com um saco gigante de moedas. E ainda falou:
-Belo trabalho, Larme. Você realizou um crime perfeito! Deixar esses pinguins idiotas aqui confinados para descobrir o assassino nunca nos rendeu tanto dinheiro em todas as edições do programa! Estamos ricos. As cotas de televisão que recebemos pelo público gigante que tivemos geraram uma quantidade de moedas inacreditável, sem falar que o prêmio que seria destinado ao vencedor também ficou conosco. Enganamos todos.
-Realmente. Realmente... Todos patéticos. Esqueceram do fato que eu moro do lado do iglu (capítulo 2) e joguei a bomba pela janelinha do banheiro. Eu mesmo acionei o botão e detonei o explosivo. Ficaram tão impressionados com a morte que ninguém reparou que eu estava do lado de fora arquitetando o plano e que ninguém além de mim entrou no banheiro depois daquilo para examinar a situação. E o Rafael Bobs foi a melhor coisa que me aconteceu. Ele ter lido o diário do Piplop foi incrível (capítulo 9), pois pude acusá-lo. Só no fim notei que o Piplop sabia de tudo. Ele me viu jogando a bomba no momento que passava pela porta do banheiro (capítulo 3), por isso me tratava estranhamente quando eu ia fazer o interrogatório com ele (capítulo 5). Então, tive que tirá-lo do caminho, antes que ele pudesse atrapalhar o nosso esquema. Quando eu saí para trocar de roupa (capítulo 9), na realidade, fui aos fundos do iglu, peguei o canivete do Rafael Bobs em sua mala, e esfaqueei Piplop, podendo acusar o Rafael. E para fazer o Piplop sofrer ainda mais em sua morte, peguei o resto do molho picante que Joaninha jogou fora no lixo (capítulo 6) quando eu fui revistar as lixeiras (capítulo 7) e passei na lâmina, para deixar o corpo do Piplop ardendo. E claro, para não deixar nenhum perigo para o nosso plano, mandei prender rapidamente o Rafael Bobs que soube de tudo após ler o diário. Mas já passou também por minha cabeça acusar Rafael Bobs desde o início. Afinal, odeio pinguins barraqueiros. Cheguei até a dizer que iria me livrar dele (capítulo 1). Eu iria na verdade acusar Narutox, porque não tinha nenhuma prova com os outros. Mas o suicídio dele (capitulo 8) foi essencial, já que todos os participantes do iglu pensavam que o assassino era Narutox. Então, quando ele se foi, todos ficaram desesperados para conseguir a liberdade, e Rafael Bobs apelou para o diário de Piplop. Aí, como ele descobriu que fui eu que na realidade matei Snuggy, agora está preso e pagará por um crime que não cometeu. Ele se envolveu onde não deveria e acabou virando nossa vítima. Afinal, ninguém suspeitaria do detetive, não é mesmo? Foi um crime perfeito. Disse Larme.
-Você arquitetou tudo perfeitamente! Mas sem minha manipulação e meu drama isso também jamais teria saído do papel. Transformamos o Reality Show em um balcão de apostas de pinguins para ver quem é o assassino, além de nossa audiência gigante. ESTAMOS RICOS! Completou Tmj15.
Larme, naquele momento sacou uma arma e mirou a cabeça de Tmj15.
-Eu não contaria muito com isso. Falou.


No mesmo instante, Larme soltou uma risada maléfica e atirou contra Tmj15, que caiu morto no chão. Larme então pegou todo o dinheiro somente para si e saiu triunfantemente do iglu. Estava rico. Foi ao Ancoradouro, comprou um barco e nunca mais foi visto na ilha. O psicopata Larme fez 3 vítimas fatais, Snuggy, Piplop e Tmj15, além de ter provocado o suicídio de Narutox, e ainda prendeu um inocente. Uma mente brilhante e perigosa... O que as pessoas não fazem por conta de dinheiro e fama, não é mesmo?
 O iglu sombrio e sangrento foi desabitado eternamente, e o detetive leva a vida tranquilamente quilômetros e quilômetros da ilha, dormindo sobre as almas daqueles que ele tirou a vida por puro prazer de matar e ficar rico. Nesta história, a maldade venceu o bem. Sabe-se que este foi o desfecho do conto. Larme coroado em uma escultura de louros, causando a tristeza de muitos, e o pranto de outros. E quem for rei... Que conte outra.

FIM.

Larme e Tmj15 planejaram o crime perfeito! Eles foram os responsáveis e mentores dos crimes, mas o investigador se saiu melhor no final e escapou ileso. Uma emocionante história. Esperamos que tenham gostado de mais um de nossos sucessos.
Até mais.

Administração, Club Penguin Inovador
Penguins Freshmen - Madrugada Sangrenta - Club Penguin Inovador

16 comentários:

  1. Eu gostaria de participar, sou o Piplop. Eu gostaria de participar pois venho acompanhando todas as edições do Penguins Freshmen desde o lançamento e seria uma honra participar.

    ResponderExcluir
  2. Escreve aí o Rafael Bobs q pode ter certeza q ele vai ter presença marcante 8-)

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de participar da série, sou o Narutox20. Gostaria de participar porque.. Seria a primeira vez que eu participaria de um reality show, então poderia ser uma ótima experiência participar da tua série! E é claro, jogar de igual pra igual ;)

    ResponderExcluir
  4. My name is... PoloWave, e eu gostaria de participar da série pois eu gosto mt (amo) o CPInovador e seria uma grande honra participar do Penguins Freshmen (Eu sou a universal) #TheZueiraNeverEnds

    ResponderExcluir
  5. Mister Snuggy

    Pq? pq pizzas são boas, e eu gosto delas. Pizzas são bacanas, principalmente em reality show!

    ResponderExcluir
  6. Meu nome é Nikebloom e eu gostaria de participar porque nunca participei de nenhum reality do CP, já tentei varias vezes nesses meus 4 anos e nunca consegui, acho que vou ser amigo de quem for amigo e inimigo de quem não for. Vou jogar pra ganhar :P #TeamNike

    ResponderExcluir
  7. O meu nome é Ferby2010 e gostaria de participar porque eu nunca participei num reality show e se eu participasse num, seria uma experiencia unica!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Meu nome é Seyne -q. Gosto de batatas fritas e sou a universal... Brincadeirinha(não teve graça). Então, participar nesse reality show para mim seria experiência única! Acesso o CP Inovador desde os tempos mais antigos e com certeza estarei na festa em fevereiro que estão organizando... Espero ajudar e ser útil em algo. Obrigado =)

    ResponderExcluir
  9. Olá sou Laser1347 gostaria muito de participar pois nunca participei um nenhum série, e gostaria muito de participar, gostaria muito se conseguisse uma vaga =)

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Gostaria de participar pq gosto de competir e também porque nunca participei em nada parecido. E parabéns pela ideia Larme e Tmj.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Kkkkkkkk legal saber que meu personagem aparenta o meu personagem predileto, ou seja o Coringa!

    ResponderExcluir
  14. Se possível gostaria de entrar como personagem surpresa na série

    ResponderExcluir